Sobre

Nívea Freitas, soprano brasileira, concluiu seu título de concertista (Konzertexamen) pela HFMT - Hochschule für Musik und Theater Hamburg em 2018, onde também completou seu mestrado em canto lírico, ambos títulos na classe do professor Mark Tucker. Concluiu seu diploma de bacharel em canto na ESMU da UFMG - Brasil, em 2013. Em meados de 2015, completou seu primeiro mestrado artístico-científico tambem pela UFMG, que foi desenvolvido parcialmente na França em um intercâmbio de um ano no departamento de teatro da Sorbonne Nouvelle de Paris. Durante esse período, também se aprimorou na École Normale de Musique de Paris, na classe de Caroline Dumas. Em 2013, interpretou os papéis de Aphrodite e Artemis no Brasil na estréia da ópera Phaedra e Hippolytus de Christopher Park (EUA), dirigida por Fernando Bicudo. Os papéis de Melise e Coryphée  interpretou na ópera Renaud de A. Sacchini, dirigida por André Heller Lopes na Sala Cecilia Meirelles. Para a conclusão de seu Mestrado no Brasil 2015, interpretou o papel de Domitila na ópera monologo Domitila de J. G. Ripper. Em 2016, cantou na ópera The Fairy Queen de H. Purcell no Opera Stabile - Staatsoper Hamburg. Participou de montagens de óperas contemporâneas menores como na estréia da ópera Cyclops, de Benjamin Lycke no Theaterakademie Hamburg, no papel de Rasha. Atuou em diversos concertos com repertório variando de oratório, repertório de concerto, a canção de câmara tanto no Brasil quanto na Alemanha, e outras regiões da Europa. 

 

Sua trajetória de formação acadêmica, por razões de interesse pessoal e de contextos específicos,  iniciou-se pelo percurso da Física, pelo Instituto de Ciências Exatas da UFMG, onde conclui seu primeiro bacharelado. O trabalho na área de Astronomia e no laboratório de Física Experimental a permitiu financiar seus estudos de formação básica em música, que a preparou posteriormente para a entrada no bacharelado em Canto lírico pela mesma Universidade. Sua formação científica juntamente com sua experiência em pesquisa na área de performance em música no seu primeiro mestrado, contribuíram para a formação de uma artista preocupada e engajada não só com a técnica e as minúcias do universo da performance e da prática musical, mas também com a criação, a pesquisa, a reflexão e a autonomia. O somatório desse histórico a levou a elaborar projetos inovadores na área de concerto de câmara, sempre relacionando repertórios à temáticas e reflexões conceituais, com o interesse em unir a tradição da música com a inovação através do uso de mídias audiovisuais, no intuito de comunicar com o público de maneira diferente.  

 

Esse perfil a proporcionou, por exemplo, a chance de elaborar um projeto de criação em performance (Cuckoo Land) e vencer o concurso  CLAB Festival - Neue Konzert Ideen, um concurso de novas ideias de concerto, em Hamburg na Alemanha em 2018.